Please select your preferred region

Central South America

Please select your preferred region

Central South America

Artigos

Supermercados COVID-19: Tendências, desafios e novas soluções tecnológicas

August 24, 2021 BySensormatic News Desk

compartilhar

Desde o aumento das compras on-line de alimentos até aumentos alarmantes nas perdas e fraudes, aqui apresentamos as tendências e os desafios que os supermercados estão enfrentando em meio à COVID-19 na América Latina.

Aumento da demanda do comércio eletrônico. Preocupações persistentes em torno da saúde e segurança públicas (incluindo a possibilidade de reinfecção pela COVID-19  em pessoas já vacinadas). Desafios contínuos com a infraestrutura nacional.

Os supermercados latino-americanos estão na linha de frente dessas e de outras tendências agora — muitas das quais se originaram na pandemia, mas aparentemente se transformaram e disseminaram de várias maneiras desde então. Então, como eles estão respondendo?

A resposta é uma história de desafios combinados em escala por oportunidades emergentes, e estes, em conjunto, estão remodelando de forma intensa o cenário futuro do varejo de alimentos em toda a América Latina. Não se engane: a forma como as empresas de varejo respondem a esses desafios hoje fará a diferença entre aquelas que ficam para trás e aquelas que progridem.

Depois da nossa análise das perspectivas dos supermercados na América do Norte, é hora de olhar para o sul na nossa publicação mais recente da série de blogs. Essa é a pauta para supermercados em toda a América Latina.

O cenário geral

Muito antes de a pandemia reescrever as regras básicas para as economias em todo o mundo, a América Latina se destacou. Analise as duas maiores economias da América Latina, México e Brasil, para uma comprovação disso. Conforme observado por McKinsey & Company, o crescimento real do PIB no México em 2019 acabou sendo essencialmente zero, e o Brasil estava praticamente no mesmo barco. Em outras palavras, o quadro econômico geral não tem sido otimista.

Além disso, antes da pandemia, países como a Argentina também apresentavam taxas de inflação de cerca de 50%, de acordo com o mesmo relatório da McKinsey & Company. E olhando para o futuro, estudos como este da FocusEconomics preveem que essas moedas correm um alto risco de continuar a se desvalorizarem. Não é exatamente uma história reconfortante.

A boa notícia, no entanto, é que as oportunidades de crescimento do comércio eletrônico parecem estar literalmente em todos os lugares no horizonte. Uma previsão da Lazard Asset Management, por exemplo, mostra o número de compradores digitais na América Latina aumentando 152% até 2031, de cerca de 172 milhões hoje para 435 milhões, com o gasto médio por comprador digital crescendo simultaneamente três vezes e meia durante esse período. (Brasil e México estão classificados entre os cinco principais mercados emergentes fora da Ásia.) E dentro do espaço de varejo, isso tem sido particularmente pronunciado nos últimos anos. A América Latina registrou recentemente níveis mais elevados de crescimento da receita de varejo e lucratividade do que todas as outras regiões, de acordo com um relatório da Deloitte.

Então o que podemos esperar?

Embora a intenção de compra da maioria dos bens de consumo em países como o Peru tenha apresentado tendência negativa durante a pandemia, um relatório da McKinsey & Company mostra que os mantimentos permaneceram uma exceção constante e evidente.

A ascensão do supermercado on-line

Mercearia on-line, para começar. Na verdade, não é só aqui, mas veio para ficar na América Latina. Para entender o porquê, vamos detalhar a situação atual.

Talvez sem surpresa, os países que tinham um grau mais alto de infraestrutura digital antes do início da pandemia, em geral, tiveram ganhos mais significativos durante ela do que aqueles que não tinham. De acordo com o Departamento de Comércio dos Estados Unidos, por exemplo, as vendas gerais de comércio eletrônico doméstico nos EUA saltaram impressionantes 32% durante a pandemia de COVID-19, respondendo por 14% do total das vendas no varejo em 2020 (em comparação com 11% em 2019).

Portanto, embora a história de crescimento da América Latina seja mais ou menos a mesma, os números em si são um pouco menores. Para quem tem prestado muita atenção à região, é claro, nada disso deve ser considerado totalmente surpreendente. Afinal, a explosão do supermercado on-line na América Latina reflete a realidade mais ampla de que, independentemente do escopo dos desafios mencionados anteriormente, o comércio online de toda a América Latina está em franca ascensão.

Com isso em mente, é lógico que a região seja o mercado de varejo eletrônico de crescimento mais rápido em todo o mundo neste ano em uma previsão da Insider Intelligence. Outras previsões mais conservadoras, como esta da Americas Market Intelligence e da Euromonitor, afirmam que a região terminará o ano como o segundo mercado de comércio eletrônico com crescimento mais rápido em todo o mundo, atrás apenas do Sudeste Asiático.

De qualquer forma, o que essas previsões apontam são as oportunidades de crescimento potencialmente enormes e emergentes para supermercados com experiência digital — oportunidades para expandir as ofertas de mercearias on-line e aumentar a participação no mercado na América Latina. Isto é, para aquelas empresas que estiverem preparadas.

Algumas estatísticas que fundamentam isso:

  • No geral, a participação do comércio eletrônico nas vendas no varejo era de cerca de 4% antes da pandemia na América Latina, subindo para 6,8% no auge da COVID-19, antes de se estabilizar em 5,1%, de acordo com a pesquisa da Mastercard.
  • Ainda mais revelador, o estudo anual Beyond Borders da EBANX revelou que cerca de 52 milhões de pessoas em toda a América Latina fizeram suas primeiras compras on-line durante a pandemia.
  • Embora a intenção de compra da maioria dos bens de consumo em países como o Peru tenha apresentado tendência negativa durante a pandemia, um relatório da McKinsey & Company mostra que os mantimentos permaneceram uma exceção constante e evidente.

O que está claro é que as vendas on-line gerais de alimentos devem aumentar no futuro. Startups como o mexicano Jüsto — que se autointitula o primeiro supermercado 100% on-line do país — estão se tornando mais proeminentes neste espaço, por exemplo. Na Colômbia, empresas como a Linio emergiram como operadoras modernas para supermercados que lutam para atender ao crescimento da demanda do consumidor com o início da COVID-19. E isso é apenas o começo.

Por essas e outras razões, a mercearia digital em toda a América Latina, inegavelmente, ganhará força no futuro. Nesse meio tempo, no entanto, os supermercados latino-americanos têm alguns obstáculos com os quais se preocupar, como veremos em breve.

Com relação a aumentos nas perdas e fraudes

Até que ponto as perdas e fraudes são um problema hoje em dia? Globalmente, mais de um terço das perdas e fraudes pode ser atribuído ao furto em lojas e ao crime organizado no varejo, simplesmente para começar — um fato que provavelmente explica por que quase dois em cada três varejistas estão investindo principalmente em Vigilância Eletrônica de Artigos (EAS).

Seja como for, a situação de perdas e fraudes apenas aumentou durante o auge da pandemia. Veja o caso do Brasil, por exemplo, onde os roubos em lojas de supermercados aumentaram 6,5% durante a pandemia, segundo dados do R7. E, com base na avaliação do Departamento de Economia e Pesquisa da ABRAS, esse número chega a 16% de perdas e fraudes em supermercados no total.

O que significa tudo isso? E o que, em última análise, pode ser considerado a força que promove essas ações infelizes?

Economias muito devastadas pela pandemia, principalmente. A recente pesquisa da Universidade da Argentina, por exemplo, mostra que a maioria dos argentinos viu sua renda piorar durante a quarentena. Enquanto isso, outros 40% dizem que não conseguiram pagar pelo menos uma conta durante um determinado mês, de acordo com o mesmo estudo. Ambos os fatores parecem ajudar a racionalizar um aumento no furto em supermercados.

Oscilações de renda à parte, curiosamente, o uso cada vez mais onipresente de sistemas de checkout automático em supermercados pode ser outro culpado a ser considerado. Afinal de contas, é relativamente fácil para um cliente que faz o auto-checkout simplesmente escanear um item de menor valor do que o produto em questão. E tal ato, por mais intencional que seja, é relativamente passivo. Na realidade, a pesquisa da Loss Prevention Research Council descobriu que os ladrões geralmente acreditam que o roubo no checkout automático é mais fácil de ser bem-sucedido do que outros modos de roubo no varejo, com base em quaisquer “experiências anteriores ou fundamentos estabelecidos.”

Mas, independentemente de qual seja a causa raiz exata, essa é, acima de tudo, uma tendência obviamente preocupante para os supermercados na América Latina, repleto de consequências financeiras seriamente negativas em termos de desempenho financeiro.

O que esses supermercados podem fazer para enfrentar essas dificuldades?

Ao conectar novas ferramentas baseadas em sensores a aplicativos em nuvem prontos para dispositivos móveis, os supermercados agora podem monitorar e gerenciar de forma abrangente todos os aspectos da segurança alimentar de ponta a ponta.

Novas soluções de tecnologia para supermercados com visão de futuro

Considerando as mudanças discutidas até agora — ou seja, o crescimento do supermercado digital, juntamente com cada vez mais perdas e fraudes — como os supermercados latino-americanos estão lidando com isso? Quais táticas eles estão usando? Como eles estão respondendo estrategicamente?

As respostas, em grande parte, têm a ver com novas soluções tecnológicas. Isso porque essas soluções têm o potencial de criar experiências de cliente personalizadas e simples que se alinham às mudanças de comportamento e preferências. Além do mais, elas podem capacitar os supermercados latino-americanos com insights acionáveis que abrangem muitas das mudanças que surgiram com a pandemia.

  • Mercearia on-line: Novas ferramentas de mobilidade do consumidor permitem que os supermercados ofereçam experiências aprimoradas ao cliente, tanto na loja quanto on-line. Enquanto isso, novas análises de tráfego podem ajudar os supermercados a medir e comparar o tráfego na loja, identificar melhor as oportunidades e prever o desempenho com mais precisão.
  • Novos comportamentos do comprador: Ao conectar novas ferramentas baseadas em sensores — sensores de refrigeração, termômetros Bluetooth e muito mais — a aplicativos em nuvem prontos para dispositivos móveis, os supermercados agora podem monitorar e gerenciar de forma abrangente todos os aspectos da segurança alimentar de ponta a ponta. O resultado? Menos desperdício de alimentos. Práticas operacionais mais sustentáveis. Conformidade aprimorada. Registros digitalizados de segurança alimentar. E, acima de tudo, visibilidade sem precedentes dos dados em toda a empresa.
  • Prevenção contra roubo: Os monitores de visualização pública aprimorados (EPVMs) — impedimentos no nível dos olhos para ajudar os varejistas a conscientizar os clientes de que estão sendo monitorados — são apenas o começo. Novas soluções baseadas em sensores (exemplos: etiquetas de tampas de garrafa, protetores e embalagens para itens pequenos e muito mais) podem adicionar um novo nível de proteção contra roubo, identificar as causas básicas das perdas e fraudes e prevenir perdas de forma proativa antes mesmo que elas aconteçam.

Olhando para frente: quais as novidades para os supermercados latino-americanos?

Claramente, a pandemia remodelou de forma poderosa e decisiva o cenário do varejo de alimentos na América Latina. Ninguém sabe exatamente como tudo isso vai se modelar, é claro, mas já estamos vendo como uma série de efeitos em cascata da COVID-19, incluindo novas preferências do consumidor, estão criando a necessidade de mudanças operacionais entre os supermercados. E embora o escopo e a natureza dos desafios à frente sem dúvida variem de acordo com o país, há amplos pontos em comum a serem vistos na América Latina — e com esses pontos em comum, principais conclusões também. Por exemplo, uma gestão mais ágil e eficaz amanhã exigirá medições mais precisas e acionáveis hoje, e os supermercados que são capazes de agir de forma decisiva agora devem ver uma vantagem competitiva clara no futuro.

Procurando uma análise mais detalhada de como a COVID-19 afetou os supermercados na América Latina, incluindo análises de novos comportamentos do consumidor e respostas operacionais? Obtenha sua cópia do relatório abrangente (e gratuito) da Sensormatic Solutions hoje mesmo.

compartilhar

Explorar tópicos relacionados

monitor displaying sensormatic iq screen

Saiba mais sobre como o Sensormatic IQ pode revolucionar sua estratégia de análise.

Contate-Nos